sábado, fevereiro 02, 2013

À noite, agenda de prefeitos em Brasília dá lugar a casas de prostituição


Durante o dia, as reuniões com representantes do governo federal no Centro de Convenções Ulisses Guimarães, em Brasília, tomaram a agenda de milhares de chefe de Executivos municipais reunidos no Encontro Nacional com Novos Prefeitos, organizado pela presidenta Dilma Rousseff , entre a segunda e a quarta-feira desta semana. À noite, os prefeitos aproveitaram a estadia na capital federal para conhecer boates e casas de strip-tease.
Alguns deles não tomaram sequer o cuidado de esconder o bóton do evento, no qual estava escrito em verde e amarelo “prefeito”. Foi assim que a reportagem do iG flagrou cerca de 15 deles em uma boate de strip-tease na noite da última terça-feira e mais 5 na quarta-feira. Um deles também deixava exposta a estrela vermelha do PT que levava na lapela do terno.
Até as 22h45, aquela era para ser uma terça-feira de movimento normal na Apple´s Night Club, uma boate instalada em ponto estratégico e discreto no Setor de Indústrias Gráficas de Brasília. Inicialmente, três seguranças estavam na porta – um deles distribuía comandas de consumo aos proprietários de poucos carros estacionados em frente ao estabelecimento, que divide um prédio de dois pisos com a Igreja Apostólica Renascer.
Mas a movimentação de táxis começou a ficar acima do normal após as 23 horas, embalada pela presença de cerca de 4 mil prefeitos que estavam na cidade. “Isso aqui está uma loucura”, diria um pouco mais tarde um dos garçons, feliz com as gorjetas em noite de movimento atípico. “Nem quando o Congresso está funcionando a casa fica tão cheia”, comparou Nicole, uma das garotas de programa da Apple’s.
O Encontro de Prefeitos movimentou também o Alfa Pub, onde a reportagem esteve na noite da quarta-feira. Logo na entrada, Daniela foi direta: “Você também é prefeito?”, disse sem rodeios. Segundo ela, os homens à frente de cidades brasileiras não gostam de gastar muito. “Eles são mão fechada”, afirmação corroborada pela colega Fabiana. “Prefiro deputado e senador”, comparou.
Negócio
Alan Sampaio / iG Brasília
Discrição também é um dos atrativos da casa
O negócio do sexo voltado aos políticos na capital federal envolve até taxistas, que recebem R$ 70 por cliente levado até a Apple’s. Por R$ 100 de entrada na Apple’s, valor que podia ser consumido integralmente em bebidas, os prefeitos era recebidos por “colegiais”, “mulheres fatais” e “enfermeiras”, que se revezavam em apresentações nas quais os trajes curtos eram tirados e arremessados à plateia– alguns dos homens públicos ali presentes participaram subindo ao palco. “Faz tempo que eu não vejo tanta mulher gata”, comentou um deles.
Outro prefeito, que carregava a estrela do PT junto com um forte sotaque mineiro, acompanhado por três assessores comemorava no banheiro o desconto oferecido por uma das prostitutas, que cobrou R$ 150 por uma hora de programa.
Entre os presentes com os quais a reportagem do iG conversou, estavam prefeitos de cidades do Amazonas, Minas Gerais, Tocantins e Santa Catarina. Havia integrantes do PT, PR, PMDB. Os catarinenses foram em comitiva de 10 prefeitos.
A segurança do local foi reforçada por um carro da Polícia Militar do Distrito Federal, que ficou posicionado no estacionamento da Apple’s com as luzes apagadas. Por volta das 2 horas da madrugada, dois policiais fardados e armados chegaram a entrar para ver parte de um show das dançarinas.
A discrição também é um dos atrativos da casa. O consumo é registrado em nota fiscal pelo F.F. Bar e Restaurante LTDA, razão social da Apple´s Nigth Club. O estabelecimento toma alguns cuidados legais, como não ter quartos para realização de programas. As garotas são levadas pelos clientes para hotéis ou motéis brasilenses.
O sigilo também é moeda forte da Alfa Pub, onde a entrada custa R$ 35. A casa funciona como um bar anexo ao Hotel Bonaparte, no setor hoteleiro sul da capital federal, emitindo nota fiscal com a razão social de Semensato Bar e Café LTDA-ME. Lá não há apresentações de strippers, apenas um tecladista cantando MPB ao vivo.
O local funciona como uma espécie de agência. As garotas de programa circulam entre as mesas distribuindo cartões de visita e negociando programas que variam entre R$ 300 e R$ 400 por duas horas, a se realizar fora do bar.
O Alfa recebeu cinco prefeitos na noite desta quarta-feira, último dia do Encontro Nacional de Novos Prefeitos. Movimento fraco perto da segunda e da terça-feira. “Esta semana foi quente, teve muito prefeito”, disse um porteiro.
A estratégia de colocar esse tipo de casa em local discreto também ocorre no Hotel Nacional, complexo pertencente a Wagner Canhedo Filho, herdeiro do ex-proprietário da Vasp. Em uma das alas dos prédios funciona o Nacional Music Hall.
O modelo do Nacional é similar ao Alfa: as garotas oferecem os serviços. A movimentação na boate foi mais agitada nas noites da segunda e terça-feira, de acordo com seguranças, em função da presença de prefeitos hospedados no hotel.
Prêmio
Entre um copo e outro de uísque 12 anos, cuja dose em média custava a R$ 40 na Apple’s, prefeitos gritavam a cada strip-tease. O ápice da festa foi uma apresentação de sexo explícito entre duas garotas, efusivamente aplaudidas pelos homens presentes. Vários prefeitos ficaram em pé tentando acompanhar cada detalhe da cena. Depois, houve até chefe do Executivo municipal que parabenizou as duas garotas pelo “espetáculo”.
Nos intervalos de cada show erótico, os prefeitos aproveitaram para afinar as ideias com colegas e assessores sobre os problemas locais de seus municípios no início desta gestão. Houve até alguns que comemoraram o pacote de R$ 66,8 bilhões anunciado por Dilma como uma “mão na roda” .
Os prefeitos começaram a deixar a boate por volta das 3h. Na saída, eles receberam uma senha para participar de um sorteio. O prêmio? Uma noite grátis com uma das garotas de programa da boate.
Ig