25 de março de 2013

Seis polos distribuirão cana e milho no semiárido. Surubim está dentro!



Aguinaldo Lima
GOVERNADOR Eduardo Campos garantiu apoio para evitar maiores prejuízos
CARUARU - O governador Eduardo Campos esteve no município de Caruaru, no Agreste, para lançar o Programa de Distribuição de Cana-de-Açúcar, que encabeça as ações da Operação Seca que visa minimizar os efeitos da estiagem no Interior pernambucano. Através da instalação de pontos espalhados pelas três regiões do Agreste, será viabilizada a distribuição de ração animal, como: cana-de-açúcar e milho para a manutenção do rebanho de pequenos e médios produtores. Ao todo, serão seis polos:  Caruaru, Surubim, Arcoverde, Itaíba, Garanhuns e São Bento do Una.

De acordo com o governador, o programa diminuirá a distância percorrida pelos criadores afetados pela seca. “Atualmente, os produtores precisam se deslocar até a Mata Sul. Com a viabilização desses polos, mais produtores serão atendidos e num tempo menor. A expectativa é que a segunda quadra do inverno seja melhor e possa ir melhorando a situação do pasto natural. Até lá, nós temos ainda 60 dias de cana-de-açúcar para cortar na Zona da Mata. Durante esse período, vamos estar transportando diariamente dezenas e dezenas de caminhões para os polos. Neles a cana será processada para os agricultores”, explicou Eduardo Campos.

Na visita ao Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA) de Caruaru, o governador aproveitou para falar sobre as demais atuações no combate os problemas causados pela estiagem. “Estamos com diversas ações na Operação Seca, que cuida da distribuição de água e da viabilização de adutoras para que a gente possa, não só atravessar essa seca, mas também já deixar uma estrutura para que, nas próximas secas, se tenha um efeito menos agressivo”, completou. Juntos, os seis polos distribuirão, diariamente, 669 toneladas de cana para 63 municípios. Somente no polo de Caruaru, situado na Estação Experimental do IPA, em Malhada da Pedra, cerca de 15 cidades adjacentes serão atendidas.

“Foram contratados 80 caminhões para fazer o transporte da cana vinda da Conab, até os polos. A previsão é de que se atenda a cerca de 155 mil cabeças de gado. O programa vai reduzir a perda do rebanho, uma vez que não existe mais pasto no Agreste”, detalhou o Secretário de Agricultura do Estado, Ranilson Ramos. Os produtores devem procurar o IPA, o Adagro ou a prefeitura da sua cidade para fazer o cadastro. No momento do cadastramento, ele será avisado sobre qual dia que deverá pegar a cana-de-açúcar e a quantidade permitida.
Folha de Pernambuco

Postagem anterior
Próxima