sábado, abril 27, 2013

Em Casinhas, ex conselheira Tutelar realiza reencontro de mãe e filha após 17 anos



A emoção tomou conta em Casinhas, uma Ex conselheira Tutelar do município conseguiu localizar mãe e filha separadas há 17 anos.
O reencontro emocionante entre mãe e filha aconteceu no dia ( 11) de abril. A jovem Zaine Correia Leite, natural de Igarassu  PE, nascida no dia 09 de maio de 1992 e da mãe  Biológica Quézia  Aleixo Leite.
Quando tinha três anos e oito meses de idade, o seu pai biológico David Mendes Leite, natural de Paulista – PE,  entregou sua filha sem autorização da mãe, que já encontrava-se  em são Paulo em busca de trabalho. Durante esse período, Zaine veio morar no Sítio Catolé de Napoleão,área rural de Casinhas,entregue ao  casal Srº José Antônio e a Srª Marina. Marta Barbosa,a ex  conselheira tutelar, quando em visita a casa de Zaine, conheceu toda a história. 
No mês de fevereiro de 2013 a jovem foi tirar uma Xerox com Marta que trabalha na sede do município,logo Marta pediu para a jovem uma cópia do registro para olhar como estava o processo de adoção. Logo veio a curiosidade. A conselheira queria saber se a  mãe estava a procura da filha,quando entrou na internet,numa rápida pesquisa no Google,colocou o nome da mãe biológica,logo achou o nome dela que já havia mandado um email para o programa de Eliana no SBT a procura da filha. Daí  a ficha caiu, entendeu tudo,imediatamente. Marta viu e começou a procurar e entrar em contato com a mãe,sigilosamente,a ex conselheira conseguiu por telefone e facebook os contatos da mãe. Ela agilizou todo o processo para o reencontro,foi feito o diálogo com os familiares e o grande “dia” do  encontro  emocionante de mãe e filha aconteceu.

As duas se encontraram no Sítio Catolé de Napoleão, a mãe veio especialmente de são Paulo para realizar o sonho de encontrar a preciosidade de sua vida, a Zaine. Um dos encontros mais emocionantes da história de Casinhas,que através da fé e esperança,os sonhos podem ser realizados.
Nossos agradecimentos a Marta e todos que ajudaram diretamente e indiretamente para esse reencontro fossem realizados. O blog já vinha acompanhando esse processo de reencontro, em contato com Marta que em segredo guardava toda essa história, sabendo que Deus sempre esteve a frente de tudo.
                                                    Quézia Aleixo e Marta ex conselheira 
                                              Elzângela, Marta,Zaine e a mãe Quézia
                                      Zaine  ao (centro) e amigos de escola

Na época a mãe chegou a enviar carta a uma rede de televisão,na expectativa de reencontrar a filha.
Veja mais a carta da mãe em busca da filha no (SBT) Sistema brasileiro de televisão.
 Oi Eliana
!

Resolvi escrever para seu programa porque acredito que você possa realizar meu maior sonho,  reencontrar minha filha, que o pai dela deu para outra família criar.Vou contar como fiquei sem minha filha.Em janeiro de 1996 saí de Pernambuco, deixando meus três filhos com meu marido e a mãe dele,foi muito difícil para eu tomar essa decisão de me afastar  dos meus filhos,eles eram muito pequenos,precisavam dos meus cuidados e tão apegados a mim,apesar de muitas vezes não ter comida tinha amor de sobra para dar a eles.Eram inocentes,não sabiam do sufoco que passava,eu como não tinha que fazer alguma coisa além de trabalhar para ganhar meu salário mínimo,o dinheiro não dava para dar uma casa decente para eles, morávamos em sete pessoas na casa da minha sogra,numa casa toda de taipa,uma casa de quatro cômodos,tinha apenas duas camas de solteiro,um fogão,um guarda roupas e um armário bem velho.Muitas vezes no café da manhã só tinha farinha,açúcar e água na garrafa de barro,não tínhamos água encanada dentro de casa.Eu fazia um mingau e dava para as crianças tomarem.doía ver meus filhos passando fome,não morremos de fome porque minha sogra era aposentada, e ganhava um salário mínimo e pedia esmolas nas ruas, como ela já era velha tinhas muitas pessoas boas que davam comida para ela levar para casa.Meu marido não conseguia emprego,naquela época,em Pernambuco não tinha oportunidades como aqui tem,  ele tinha uma profissão de eletricista.
Chegando em Sorocaba, arrumei um trabalho de faxina na fábrica,comecei a juntar dinheiro para comprar as passagens,conseguir o dinheiro,mas não tinha casa para meus filhos morarem,aí conheci um homem e fui morar com ele,ele não era rico, mas tinha uma casa cheia de móveis novos,comida,brinquedos e estava disposto a ajudar as crianças.Como pai dos meus filhos,era agressivo,violento comigo, não pensei duas vezes.Isso foi no início de 1998,dia 27 de julho de 1999 era para ser o reencontro com meus filhos,quando meu irmão chegou no aeroporto não vi a Zaine,perguntei para o meu irmão onde ela estava? Meu irmão respondeu: que meu marido tinha dado ela pra uma família criar,não acreditei,pois ele era um pai muito apegado aos filhos,ri e chorei,feliz e triste,minha família estava incompleta,já tinha dois comigo,mas faltava a Zaine.Quando vi meu filho, tomei um susto,não o reconheci,ele estava completamente desnutrido,com a pele seca e encardida,unhas sujas,apesar do banho que meu irmão tinha dado antes de vir não saiu a sujeira,só pele e osso,pensei impressionante como ele mudou em dois anos.Meu irmão continuou falando que meu marido havia entregado o menino a outra família criar,mas meu filho não se adaptou e com a nova família,ele chorava muito e falava no pai que o levaram de volta para o pai.Em 2001 o pai dos meus filhos morreu em seguida a minha sogra também faleceu.
O que resta da família, do pai dos meus filhos é uma irmã por nome de Tereza,mas a chamam de Teca,ela ainda mora na mesma rua praticamente.Em maio a Zaine vai completar 21 anos,nem consigo imaginar como ela está agora,todas as vezes que sonho com ela,aquela criança de três anos que vejo.Tenho duas fotos dela que tirei antes de eu vir a são Paulo.Gostaria muito de abraçar a filha que a fome e a miséria não me deixaram criar.Não culpo nem minha sogra e nem o pai deles.Gostaria que ela soubesse que eu não a abandoei que até hoje sofro com isso,nem mesmo o tempo irá fazer esquecê-la a saudade dói  demais.Quando a zaine nasceu registramos por nome de Zaine Correia Leite,mas agora fiquei sabendo que trocaram por Maria dos Anjos e o nome esta com Marina e está morando em Surubim.Desde já agradeço por ajudar e : ansiosa estou torcendo para ser atendida.

Parabéns a Marta e a todos por realizar esse sonho dessa família.
Texto:Marta/readaptação: Edmilson Arruda
Edição: Edmilson Arruda
Fotos: Marta
Carta: Quézia