quinta-feira, julho 24, 2014

Artistas e políticos falam da morte de Ariano Suassuna

Jedson Nobre/Arquivo Folha
Silvério: "Cultura popular brasileira perde um suporte"
A morte de Ariano Suassuna na tarde desta quarta-feira tem provocado comoção em todo o Brasil. Artistas e políticos de todo o país manifestaram tristeza com a notícia em entrevista à Folha de Pernambuco e nas redes sociais. Abaixo alguns depoimentos que já foram ditos até agora:

“A cultura popular brasileira perde um suporte, principlamente agora quando o mercado global tenta enfraquecer a particularidade de cada cultura. Ariano deixa uma obra de fotalecimento para identidade local, não só na literatura, como no cinema, no teatro e na música” – Silvério Pessoa, músico.
“Com a morte de Ariano, morre um pedaço de mim, por que está desaparecendo a minha referência espiritual no mundo. Tudo o que eu aprendi, tudo o que eu fiz foi através do ensinamento de Ariano. Estou chocado, triste e angustiado. Vou precisar de muito tempo pra superar essa notícia” – Raimundo Carrero, escritor.
“Foram 42 anos de convivência ininterrupta. Acho que Ariano veio dar um grande significado ao Brasil e nós acreditamos, como ele sempre disse, que o Brasil um dia irá iluminar o mundo. O trabalho dele sempre foi fundamentado nessa crença da nação, do povo e da arte desse povo” – Antônio Madureira, músico e integrante do Quinteto Armorial.
Nathália Bormann/Arquivo Folha
“Com a morte de Ariano, morre um pedaço de mim", declarou o escritor Raimundo Carrero
“Não só para mim, como para o Brasil, Ariano é um escudo de defesa da nossa cultura, tanto lutou, como provou que a cultura brasileira tem um poder muito forte e que o brasileiro, sem conhecer suas raizes, não é um povo fortalecido. A gente deixa de ter, pelo menos materialmente, um grande lutador da nossa arte. Agora só nos resta agradecer pela sua maneira heróica de permanecer ao lado da nossa cultura, principalmente nós pernambucanos, com o Movimento Armorial” – Antúlio Madureira, músico.

"Ariano Suassuna. Paraibano-Recifense-Brasileiro que nos orgulha para sempre. Fica em paz" – Serginho Groisman, apresentador, no Twitter
    "O Homem nasceu para Imortalidade. A morte foi um acidente de percurso." Valeu Mestre Ariano!! Graças a Você Somos Todos Nordestinos!! E vivemos um Julho onde a inteligência brasileira perdeu: Plínio, João Ubaldo, Rubem Alves e agora Ariano Suassuna. Termina logo esse mês" – Randolfe Rodrigues, senador, no Twitter

    Reprodução/Internet
    Serginho: "Ariano Suassuna. Paraibano-Recifense-Brasileiro que nos orgulha para sempre"
    "Descanse em paz, Ariano Suassuna! O Brasil amou mais ao Brasil e tornou-se mais brasileiro contigo! Obrigada por tudo!" – Manuela d'Ávila, deputada estadual, no Twitter

    "Suassuna, Ubaldo, Junqueira, Tintim, Meu Deus, é muita gente boa morrendo dessa vez" – Stepan Nercessian, ator e deputado federal, no Twitter
    "O Brasil perdeu hoje Ariano Suassuna. O legado do poeta e escritor seguirá influenciando as novas gerações" – Gilberto Kassab, ex-prefeito de São Paulo, no Twitter
    "Ivan Junqueira, João Ubaldo e agora o Suassuna. 3 gênios da literatura indo em 3 semanas. Vem livro bonito no céu... Mas por aqui, que lástima!" - Rafael Cortez, apresentador, no Twitter

    "Eita...hoje vou ficá deitadinho, bem quietinho, pensando no sinhô. Durma em paz e olhe para o céu meu amor, pois hoje a noite estará linda. Descanse bem Suassuna, descanse em paz. Descanse" - Otaviano Costa, ator e apresentador, no Facebook

    "Ele fica para sempre. Obrigada, mestre" - Fernanda Paes Leme, atriz, no Instagram

    "Obrigada por sua arte! Por nos divertir, nos estreter e nos ensinar. Seu talento e sua história estão em nossa memória e coração. Muito obrigada" - Fernanda Souza, atriz, no Instagram
    "Simplesmente sabedoria - 'Tenho duas armas para lutar contra o desespero, a tristeza e até a morte: o riso a cavalo e o galope do sonho. É com isso que enfrento essa dura e fascinante tarefa de viver'" - Grazi Massafera, atriz e apresentadora, no Instagram

    "'O otimista é um tolo. O pessimista, um chato. Bom mesmo é ser um realista esperançoso'". Meu primeiro contado com uma de suas obras foi aos 14 anos quando era um estudante de teatro, foi quando fazendo 'O Santo e a Porca' vi que queria ser ator para o resto da minha vida. E hoje se foi um mestre, um pensador e um dos maiores escritores do nosso país. - Daniel Rocha, ator, no Instagram

    "'Não troco meu oxente pelo ok de ninguém'. Mestre, sua obra é eterna!!! Obrigado!!!" - Samara Felippo, atriz, no Instagram

    "Muita luz para a viagem desse grande" - Bianca Bin, atriz, no Instagram

    "Sei que todo mundo vai postar e muita gente vai achar chato. Mas acho incrível tanta gente poder ler tantas coisas incríveis que ele escreveu, mesmo em circunstâncias tão tristes... É dele a frase que sempre me inspirou pra fazer o que faço, do jeito que faço e como tento levar a minha vida!" - Letícia Lima, atriz, no Instagram
    “Embora Ariano não fosse uma unanimidade, é uma perda. Não se pode negar a contribuição de Ariano para a construção de uma identidade Nordestina. Ele colocou em pauta disussões importantes sobre estética e o Nordeste” – Wellington de Melo, escritor e coordenador de Literatura na Secretaria de Cultural do Governo do Estado.
    “Sem Ariano, e dias antes, sem Ubaldo, parte de um Brasil que praticamente deixa de existir para sempre: desaparece certa vitalidade literária e algo da fé. É difícil de expressar. É como Ariano representasse certa crença no futuro, não somente na literatura, mas na vida de nós todos. Fica sua literatura, manual de navegação, carta marítima e terrestre para acreditar no Brasil” – Sidney Rocha, escritor.
    “Pra mim existem 2 ‘Arianos’, do ponto de vista da criação: o autor do "Auto da Compadecida", peça que revolucionou a dramaturgia brasileira, e "O Romance d'A Pedra do Reino", um livro épico, mítico, que representa um novo olhar depois de muitos olhares, de tantos escritores, sobre esse lugar, ou não-lugar, chamado sertão. Como se não bastasse, existe um segundo Ariano: um homem que decidiu fazer de sua vida uma luta permanente em defesa da cultura brasileira” – Ronaldo Correia de Brito, escritor.
    *Folha de Pernambuco