segunda-feira, outubro 06, 2014

Armando Monteiro e João Paulo falam sobre resultado da eleição em Pernambuco

Derrotado na disputa pelo governo de Pernambuco, Armando Monteiro (C) comenta resultado da eleição (Foto: Débora Soares / G1)
Por volta das 20h deste domingo (5), o senador Armando Monteiro (PTB) se pronunciou sobre o resultado da eleição para governador em Pernambuco, vencida por Paulo Câmara (PSB). Em coletiva concedida em sua casa, no Pina, Zona Sul do Recife, o petebista afirmou esperar que o socialista esteja preparado para a função. "Desejo que o governador eleito se coloque à altura dos desafios que Pernambuco terá que enfrentar nos próximos anos", afirmou.

O político estava acompanhado de seu candidato a vice, Paulo Rubem Santiago (PDT), e de seu candidato ao Senado, João Paulo (PT), a quem Monteiro agradeceu pelo apoio. "Nós não tivemos um único momento nessa jornada que não fosse de absoluta solidariedade desse companheiro".
Quando questionado sobre a diferença númerica entre ele e o governandor eleito, Armando disse não estar preocupado. "Não me parece próprio se importar com os números, até porque a apuração não está finalizada e não temos os dados finais. Recebemos a confiança de mais de um terço dos eleitores pernambucanos, algo bastante expressivo. Isso nos dá motivo de muita honra."
João Paulo afirmou que sua prioridade agora é ajudar Dilma em sua reeleição, no segundo turno contra Aécio Neves (PSDB). "Trabalhamos no sentido contrário, de ganhar a eleição, mas não conseguimos e nos preparamos agora para a segunda batalha, que é a reeleição de Dilma, algo que nao será fácil. Se o percentual é maior ou menor não importa, o resultado é o mesmo. Estou convencido que dei o melhor de mim na minha campanha. Não é o resultado de uma eleição que vai atrapalhar o meu relacionamento com o povo".

O senador Humberto Costa também estava presente na entrevista coletiva e reiteirou as declarações de João Paulo, expressando que a prioridade do PT em Pernambuco será a reeilação de Dilma. "Será um segundo turno duro, apertado, mas estamos confiantes na nossa capacidade de vencer as eleições".


G1