7 de março de 2015

Humberto Costa, Eduardo da Fonte e Pedro Corrêa na lista de Janot

Eduardo da Fonte foi citado em três petições (5261, 5288 e 5260); Humberto Costa foi citado na petição de número 5256

A lista do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, traz os nomes de três parlamentares pernambucanos. São eles: o senador Humberto Costa (PT), líder do partido no Senado, e o deputado federal Eduardo da Fonte (PP). 

Foram citados, ainda, o ex-deputado Pedro Corrêa (PP), que cumpre pena por envolvimento em outro escândalo, do Mensalão, e sua filha, Aline Corrêa (PP) que também foi citada, mas ela foi eleita por São Paulo. Também integra a lista o ex-deputado pernambucano Roberto Teixeira (PP).

Os nomes foram divulgados na noite desta sexta-feira (6), em Brasília, pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki. Os envolvidos serão investigados por envolvimento no esquema de desvio de recursos da Petrobras, no escândalo político que ficou conhecido como Petrolão.

Humberto Costa, que nasceu em São Paulo, mas construiu sua carreira política em Pernambuco, foi citado na petição de número 5256. Eduardo da Fonte foi citado em três petições (5261, 5288 e 5260). Pedro Correa foi citado nas petições 5286 e 5260. Aline Corrêa também está petição 5260.

Através de nota, Humberto Costa respondeu que “recebeu com surpresa e indignação a inclusão do seu nome” e que “não tem conhecimento formal de quaisquer fatos que lhe tenham sido atribuídos”. O senador afirmou, ainda, que “todas as doações que recebeu em campanhas eleitorais foram legais, auditadas, julgadas e aprovadas pela Justiça Eleitoral” e que colocou à disposição seus sigilos bancário, fiscal e telefônico.

Na nota, Humberto disse confia no arquivamento da denúncia “em razão de estar certo da insubsistência de qualquer ilação” e que “sua inocência será rigorosamente comprovada”.

Através de sua assessoria de imprensa, o deputado Eduardo da Fonte informou que irá ler as petições e se inteirar das acusações para depois se pronunciar.

O representante de Pedro Corrêa, o advogado Clovis Correa, disse que acredita na inocência do ex-parlamentar. “Ele estava cassado na época e não foi candidato. Acredito que tudo isso será esclarecido nas investigações”, afirmou. À Agência Estado, Aline Corrêa declarou, antes da divulgação da lista, que estava tranquila com relação ao seu comportamento durante os dois mandatos (2007-2014).

Durante a semana, houve a especulação de que os nomes do ex-governador Eduardo Campos (PSB), falecido em agosto do ano passado, e do ex-deputado federal Sérgio Guerra (PSDB), morto em março de 2014, constassem na lista. Mas os pernambucanos não foram citados.


Jornal do Comércio

Postagem anterior
Próxima